Vida: Sinal de Fumaça

imagens

Passando rapidinho pra avisar que não sumi, só a vida que deu uma mega tumultuada nas últimas semanas. Fiquei uns dias em SP trabalhando (do dia 21 ao dia 24), voltei pra Curitiba na sexta à noite e já fui pra Busque no domingo de manhã cedo.

Quando finalmente cheguei em casa na quarta-feira da semana passada, tava só os caquinhos de Nayara, mas ainda cheeeeia de coisas pra fazer e esse tempo VOANDO super. E sabe o que eu fiz? Fui pra balada, hahaha. Queria ter batido umas fotos de look no fim de semana, mas domingo o Rafael embarcou pra Brasília pra primeira edição corporativa do Pensar Infográfico e fiquei sem fotógrafo. =p

Mas enfim… Sabe a wishlisht? Dei uma surtada consumista no meio de tanta correria e comprei um vestido lindo e fofo da Antix na Apple Spicy (que usarei na semana que vem nas Bodas de Diamante dos meus avós), o batom Rebel da MAC e o Ray Ban Erika que estavam nela… só que no lugar do óculos clarinho acabei com aquele modelo de veludinho com a lente espelhada! Tô usando e amando demais. Em breve no próximo outfit, haha. Também comprei umas outras coisinhas por que esquentou e me dei conta que tava precisando de umas roupas mais fresquinhas! Ou seja, a economia foi meio #fail por aqui nesse mês.

E essa semana, depois de um ano e quatro meses, finalmente tirei o aparelho! Fiquei ontem e hoje nas burocracias do dentista, ontem foi dia de remover tudo e hoje voltei lá pra colar a contenção na parte debaixo e buscar o aparelho móvel que vou usar daqui pra frente. Também tô com contenção colada em alguns dentes de cima, mas já tinha feito isso umas duas semanas atrás… mês que vem volto lá pra fazer a limpeza final e um polimento nos dentes e depois disso vou fazer a documentação final, daí pretendo escrever um post beeem completo com antes e depois e tudo isso.

As próximas semanas vão continuar tumultuadas por aqui, vou tentar postar mas por enquanto só me resta agradecer a paciência! 😉 Qualquer hora eu tô de volta…

Outfit: Sobre as minhas inseguranças

Processed with VSCOcam with p5 preset
Estava arrumando o HD antigo do computador outro dia e achei uma porção de fotos legais batidas para o blog no segundo semestre do ano passado que acabei não publicando.

Essa fase do aparelho ortodôntico tem sido complicada, não consigo me sentir à vontade com esse treco na boca e sempre acho minhas expressões estranhíssimas nas fotos. Tento me lembrar o tempo todo que é temporário, e que cedo ou tarde vai chegar o dia de tirar isso e eu não vou me arrepender nem um pouco depois (nunca me arrependi das outras vezes que usei). Na verdade, já dá pra perceber boas mudanças nos meus dentes. De outubro, quando essas fotos foram tiradas, até aqui, a arcada inferior evoluiu bastante e está bem mais redondinha e até começamos a trabalhar no encaixe das duas… mas só quem já fez esse tipo de tratamento, que não é só alinhar e arrumar dentes tortos mas mexer em toda a mordida, sabe o quanto demora, e que o resultado só aparece mesmo depois que você descola os brackets. Minha boca é bem pequena e não tem nem espaço pra eles direito. :p

Processed with VSCOcam with p5 preset

O legal dessas fotos é que elas também são da época que eu estava começando no pilates de aparelhos, depois de um looongo período sedentária. Sei que a blusa não ajudou muito, mas é bom notar que meus braços estão bem mais durinhos atualmente, rs! Pilates não emagrece, mas ajuda a definir bastante o corpo e melhora horrores a postura se você tiver disciplina e focar nos exercícios. Nunca fui tão apaixonada por qualquer atividade física como sou pelos aparelhos e molas! Fico quebrada depois de cada sessão, mas continuo amando e voltando toda semana pra tortura!

De qualquer maneira, tô longe, beeem longe de ser uma dessas bloggers magrelas e fotogênicas. Não que eu me esforce muito pra isso… mas também não é fácil lidar com a mistura de sentimentos que essa exposição voluntária gera. Nem sempre eu gosto dos meus looks. Esse das fotos, por exemplo, tá bem longe de ser um dos favoritos, e nem meu cabelo tava no melhor dos dias. Mas acho que todo mundo passa por isso, no fim das contas, né?

Processed with VSCOcam with p5 preset

Não lembro exatamente o que me fez combinar as peças desse jeito, mas tava usando horrores esse jeans da Zara com cintura alta na época e acho que tentei sair um pouco do meu óbvio combinando com a blusa estampada e o cinto vermelho, mas como já falei, não achei que rolou tão bem assim. Essa slipper tá meio deslocada no look pra completar, rs.

Mas sabe, pelo menos eu tentei. Abandonei as fotos numa pastinha no computador na época, mas tô aqui postando essa reflexão que não é cheia de autoconfiança, muito pelo contrário, mas é bem honesta. Quando eu comecei a bloggar, bastante tempo atrás as coisas eram bem mais amadoras, e era mais fácil se sentir à vontade pra postar o que desse na telha por aqui. Tanto que tem muitos looks ruins nos arquivos!

Daí várias blogueiras se profissionalizaram e começaram a ganhar dinheiro, roupas, maquiagem, tratamentos de beleza e equipamentos fotográficos mega profissionais! E quem não vive disso, como faz? Porque muitas vezes eu sinto que as meninas que me inspiraram a fazer um blog pra falar de moda, maquiagem e outras coisas de mulherzinha ficaram super longe da minha realidade de uns anos pra cá. Elas viajam muito mais do que qualquer pessoa normal (mesmo quem ganha bem ainda depende das férias do trabalho pra isso!), vivem pra “se cuidar”, afinal a aparência é muito importante nesse meio e podem levar todo esse glamour super a sério.

Processed with VSCOcam with p5 preset

Eu não sou profissional, jamais me identificaria como blogueira em qualquer situação, mas também quero ter fotos legais e looks bacanas, só que preciso trabalhar e pagar as zilhões de contas da casa. Uma bolsa “de grife” simplesmente não entra no meu orçamento, não importa o esforço que eu faça. Já o aluguel, condomínio, financiamento do carro, colchão, jogo de panelas, etc… adivinha? Eu não tenho tempo nem dinheiro pra ficar indo no salão arrumar o cabelo. Pinto o meu eu mesma, em casa, desde que me conheço por gente. Até cheguei a usar um flash do Rafael em algumas fotos por um tempo, que não era pra minha câmera e que (provavelmente) queimou por causa disso. Tenho uma lente boa, mas a câmera que eu uso é de uma geração antiga… e no fim das contas, o Laços e Tachas é só um hobby mesmo.

Então as fotos e os looks vão continuar vida real e amadoras, já que é isso o que tem pra hoje, e eu vou continuar tendo que aprender a lidar com a certeza de que as coisas nem sempre são do jeito que eu queria que fossem.

Outfit: Almoço Sussê de Domingo

blog_lacosetachas1

Domingo passado o frio, que chegou a dar uma trégua depois daquela época que até nevou em Curitiba, resolveu voltar. E me pegou desprevenida! Era Dia dos Pais e tal e mais uma vez passei longe do meu (humpf), dessa vez por conta dessa mudança sem fim.

Sábado entregamos a chave do apartamento antigo, finalmente desocupado, mas ainda estamos com caixas e muita bagunça na casa nova. Queria ter mais tempo pra colocar tudo em ordem, mas quem consegue fazer isso depois de trabalhar 40h na semana? Chego em casa todo dia podre, de verdade. E como tem outros projetos rolando, o expediente não acaba aí =p.

O cansaço intelectual e físico tá tenso, ando meio doente mas tentando retomar uma rotina normal. Sexta fomos assistir Pacific Rim (Círculo de Fogo) no IMAX e adorei! Sou muito fã do Charlie Hunnam por causa de Sons Of Anarchy (seriado top 2 aqui, só perde pra Mad Men no meu coraçãozinho), adoro todos os filmes do Guillermo Del Toro e eles capricharam demais nesse daí. Curti as referências ao mito do Chtullu (torço muito pra que um dia o Guillermo ainda consiga financiar o Nas Montanhas da Loucura que ele quer tanto fazer), os mechas… Não tem jeito, sou nerd mesmo e adoro esses filmes de aventura & fantasia & sci-fi.

Daí que domingo saímos pra dar uma voltinha e almoçar perto da casa nova. Tava esse dia cinza, achei que só esse tricot oversized evasê ia dar conta mas passei bastante frio com o vento entrando pelos furinhos!

blog_lacosetachas3

7

blog_lacosetachas4

blog_lacosetachas7

blog_lacosetachas2

blog_lacosetachas5

Repararam que tô perdendo o medo de sorrir com o aparelho? Por ser estético (de porcelana translúcida), fica bem mais discreto nas fotos. Já tô mais acostumada com ele, falando quase normal, mas ainda sofrendo. Semana passada apertei o treco pela primeira vez desde quando tinha colocado e o dentista não teve nem um pouco de dó. O massa é que já consigo notar a movimentação que ele tá fazendo e feliz porque os meus dentes (na verdade, as arcadas dentárias, não tá rolando nenhuma movimentação isolada dos elementos por enquanto, acho) estão colaborando. =D

Sobre o look: saia estampada Zara, maxi tricot evasê Luigi Bertoli, uma blusa preta qualquer por baixo, meia calça fio 40 Lupo, tênis de couro da Qix (pra fugir um pouco da botinha Desmond que uso sempre!) e camera bag laranja Modices para Le Postiche (comprei faz um tempão, acho que em março ou abril… tava precisando de um modelo maior pra carregar todas as tralhas de câmera e essa por enquanto essa tá suficiente!).

Vida: Aparelho Ortodôntico – Round 3!

Senta que lá vem mais uma história…

E essa é uma história triste, de uma menina desiludida com um ortodentista que fez com que ela passasse boa parte da adolescência com um sorriso metálico e agora está aqui, no auge dos seus 27 anos, sofrendo com essas malditas pecinhas (dessa vez de porcelana translúcida) na boca de novo.

Acho que eu tinha uns 10 anos quando coloquei aparelho pela primeira vez, móvel, pra corrigir o crescimento dos meus dentes que na época já se projetavam pra frente. Foi a minha primeira dentista que fez isso, na melhor das intenções. Depois desse aparelho, lá pelos 13, fui atrás de um orto e coloquei pela primeira vez o aparelho fixo, que me acompanhou por 2 longos anos. Não lembro desse período como algo traumatizante ou estranho, porque todo mundo no colégio onde eu estudava usava e fui uma das poucas sortudas que nunca teve que usar aparelho “externo” – o famoso cabresto.

Nessa época (eu tinha uns 13/14 anos!) o tal do orto solicitou, e minha mãe, bem contrariada, acabou atendendo a recomendação dele (apesar da primeira dentista, que me acompanhou por toda a infância, ser contra) de extrair os meus pré-molares superiores permanentes pra poder “empurrar” toda a arcada superior pra trás, já que ela era, na opinião dele, muito maior que a inferior. Depois que os dentes estavam no lugar, tirei o aparelho e corrigi esteticamente o formato dos meus incisivos com resina pra que eles ficassem menos pontudos.

O resultado foi perfeito na época, mas por alguma omissão do dentista nunca coloquei retentor embaixo, e um dia, menos de um ano depois, joguei acidentalmente o aparelho móvel que usava pra manter os dentes de cima no lugar no lixo. O resultado? Em menos de um mês todos dentes voltaram todos pro lugar original, mas sem os pré-molares! Ganhei com um diastema enorme na frente e vários espaços entre todos os dentes. o.O

Sensibilizado com a c*gada (e também porque já tinha ganho muito dinheiro nesses dois anos – eu poderia ter feito um intercâmbio ao invés de usar aparelho, só procês terem uma ideia da despesa), o dentista sugeriu recolocar o aparelho só em cima, sem cobrar nada, pra alinhar tudo de novo. Lá se foram mais dezoito meses (um ano e meio!) de sofrimento. Até nas fotos da minha formatura de segundo grau o tal do sorriso metálico acabou marcando presença (eu não me preocupava muito em esconder isso na época). Era perceptível que o tal do dentista não estava lá muito interessado no meu tratamento, e quando finalmente tirei, já passando dos 18 anos, eu só queria mesmo me livrar daquela fase e seguir em frente. O resultado não ficou tão bacana quanto da primeira vez, mas os espaços estavam fechados e enfim, parecia tudo bem.

2003

Em 2003, apesar de já estar usando aparelho fixo pela segunda vez, eu ainda era, como dá pra ver na foto, uma adolescente inconsequente que consumia doces e não cuidava nem um pouco da alimentação apesar de todos os ferros na boca, e também não tinha nenhum trauma e nem tentava esconder isso.

Agora vem a parte que não contam pra você quando tentam te empurrar esses tratamentos caros e você ainda é adolescente: você vai crescer, o seu rosto vai mudar e provavelmente tudo vai sair do lugar um dia. Acontece com quase todo mundo que usa aparelho bem cedo. E se um dentista sacana quiser que você arranque dentes saudáveis antes disso, prometendo que vai colocar as coisas no lugar, corra, fuja, se esconda, vá atrás de uma, duas, ou três opiniões antes de tomar uma atitude tão extrema.

Cresci numa cidade do interior, com poucos ortodentistas e esse que eu ia era bem “top”, caro e conhecido por atender todas as meninas rycas e bem nascidas da cidade e por ter um consultório na capital. Como eu estudava com elas e também queria um sorriso bonito, meus pais gastaram o dinheiro que tinham – e que não tinham – pra me dar esse “tratamento”, afinal o resultado era pra sempre.  E fizeram tudo que ele indicou, mesmo não concordando. O resultado é esse mini pesadelo que estou vivendo agora.

Dos 18 pros 25 engordei pelo menos uns 15kg, e não é porque hoje em dia estou super acima do meu peso e sim, porque eu era uma adolescente ridiculamente magra lá em 2003:

2003_aparelho

Dez anos e vinte quilos atrás.

É óbvio que essas mudanças físicas afetaram todos os traços do meu rosto, e as coisas acabaram meio desequilibradas. Demorei uns bons 4 ou 5 anos pra ter coragem de voltar em um ortodentista, mesmo sabendo que cedo ou tarde teria que usar aparelho de novo, já que meus dentes estavam todos fora do lugar e eu ainda tenho um estalo chato no maxilar, que esse primeiro dentista prometeu que eu não teria mais quando acabasse o tratamento, mas para o qual ele nunca deu bola (estava mais preocupado com as pacientes que apareciam na coluna social do que comigo, #eusei).

Enfim, fiquei todo esse tempo me preparando psicologicamente e sempre escolhendo as fotos nos melhores ângulos pra disfarçar algo que até hoje me deixa bem incomodada. Usei aparelho por quase uma década mas nunca consegui me sentir segura o suficiente pra sorrir de boca aberta, e eis que agora estou aqui na cara e na coragem com o tal do aparelho estético, de porcelana, que é bem mais discreto que os de metal que usei antes, mas não é invisível. Tá doendo, tô me sentindo muito estranha esses dias e sofrendo com esse treco na boca (não consigo nem falar direito, não lembrava que era tão difícil essa adaptação), mas é por uma boa causa, e porque estou acreditando que finalmente essa história vai ter um final feliz. <3

aparelho_porcelana

Aparelho estético de porcelana, o retorno, no meu primeiro fim de semana com ele.

Ah, pra quem ficou curioso: dessa vez, o dentista que colocou foi um professor da pós da dentista (e amiga) com quem tenho feito todos os meus tratamentos dentários aqui em Curitiba desde 2011, indicação de confiança mesmo, até porque (eu acredito que) o meu caso não seja tão simples assim. Aceitei tudo que ele indicou de coração aberto, não cogitei procurar outros profissionais nem fui pesquisar sobre o tal do que virou modinha, caso alguém esteja se perguntando sobre isso. Vou seguir assim mesmo e ver no que dá, torçam por mim! =)