Vida: Um Dia de Cada Vez

lifeupdate-4-junho-2015-1

Que fase, gente. Que fase. Faz um tempo que eu venho aqui e penso “quero escrever sobre o mestrado” – afinal, esse é o resumo da minha vida há 3 meses, mas paro por simplesmente não ter palavras pra explicar. Já tinha previsto que essa seria uma fase mais introspectiva, de muito aprendizado, mas preciso ser mais clara: minhas previsões foram levianas. O mestrado é muito mais que isso.

Primeiro, que é uma fase de desconstrução intensa, tijolinho por tijolinho, das coisas que você tem como certas. O tal do conhecimento científico tem esse poder, de te deixar questionando tudo e todos. Aos pouquinhos, tô dizendo “tchau” praquela Nayara que eu conhecia e aceitando que essa experiência não tem mais volta.

Abrir mão dos planos pro futuro próximo, das férias e da estabilidade financeira é fichinha perto de ter que lidar com o fato de que tudo que estudei e aprendi nesses quase 30 anos de vida à respeito da área que eu pesquiso não é absolutamente nada perto do que tem pra aprender. Juro que tem horas que me sinto sacaneada pela vida, mas talvez seja esse o sentimento mesmo.

Estamos oficialmente na décima terceira semana de aulas (embora todas as disciplinas estejam na décima segunda aula) e é difícil contar tudo o que “conheci” até aqui, entre as diversas teorias das organizaçõesmetodologias de pesquisa e técnicas estatísticas de cruzamento de dados e sobre a história dos estudos em marketing (pra conseguir entender melhor as perspectivas contemporâneas sobre o assunto).

O que posso afirmar, por enquanto, é que tudo que eu achava que sabia é muito pouco perto de todas as novas maneiras de pensar Administração (e Comunicação e Marketing e tudo junto) desse universo que comecei a conhecer nos últimos meses.

lifeupdate-4-junho-2015-3

Como eu ainda não consegui digerir direito as coisas pra transformar isso em algo tangível (quero muito tentar), só me restam contar as novidades do meu mundo “objetivo“.

Comecei a ter muitas dores de cabeça e perceber que fazia um esforço imenso pra enxergar o quadro/slides projetados, e não deu outra. Fui no oftalmologista depois de uns anos (sempre enxerguei bem e saia de lá sem nenhuma indicação) pra descobrir que tenho 0,5 de miopia nos dois olhos. É pouco, mas o suficiente pra me incomodar bastante, por isso agora uso óculos em boa parte do tempo. Faz uma diferença imensa. Vale contar também: encontrei essa armação no PolloShop, pertinho de casa, na Ótica Lens. É da Marc by Marc Jacobs, não foi exatamente barata mas morri de amores e não consegui deixar ela lá e continuar procurando, rs.).

Na outra foto, o Bloco Azul do Campus do Jardim Botânico da UFPR, onde estudo, vivo e estou quase todos os dias. É bem engraçada minha relação com esse campus, porque eu quis muito estudar na federal durante toda a minha vida – na adolescência queria muito ir pra UFSC, depois pra UFPR, acabei passando pela Univali, pela UEL e pela FAE antes disso mas eis que finalmente cheguei lá (pra descobrir que ela não é nada do jeito que eu imaginei, rs).

lifeupdate-4-junho-2015-4

Comprei um milhão de canetas marca-textos coloridas da Stabilo e comecei a estudar mais no modo analógico, primeiro por que meu olho tava doendo e segundo por que a variação de estímulo favorece o meu processo de aprendizado. De brinde, ganho a companhia do Leopoldo nesse frio. No fim, esse é o verdadeiro livro de colorir para adultos, rs. E quando você tem um monte de páginas pra ler em pouquíssimo tempo, parece que ele passa ainda mais rápido mesmo. =/

Também adquirimos uma maravilhosa máquina de waffles aqui pra casa! Era uma vontade antiga, e foi uma felicidade quentinha pro inverno. Por enquanto, só fizemos a receita da massa que vem na embalagem, e experimentamos algumas coberturas diferentes… minha preferida é essa com sorvete de frutas do bosque e morangos.

lifeupdate-4-junho-2015-5

E como não poderia faltar um update da casa, mês passado demos aquela passada na Leroy Merlin pra finalmente executar esse projeto de prateleira que tava há vários meses nos planos, pra colocar os cactos e outras coisas pequenas. Basicamente, o Rafael comprou essa “ripa” de madeira e prendeu por baixo e por cima com os cabos de ferro. Não dá pra colocar coisas muito pesadas (como livros, por exemplo) e que o Leopoldo nem pense em subir nela, mas foi bem simples de fazer e o resultado ficou amor!

Também aproveitamos pra comprar molduras prontas pra colocar dois pôsteres que estavam há anos rolando pra lá e pra cá aqui em casa na parede. Agora a serigrafia do show do Pearl Jam em Curitiba em 2011 e o desenho que brilha no escuro que venho de Buenos Aires em 2008 fazem companhia pra outra serigrafia, da tour do Murder By Death e pra reprodução da exposição do Cartier-Bresson no MoMa, que eu trouxe daquela viagem pra NY em 2010.

Vida: Passei no Mestrado \o/

livros

Voltando a bloggar só pra compartilhar a novidade por aqui também: sexta-feira de manhã fiquei sabendo que fui aceita no Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFPR, linha de pesquisa Estratégia de Marketing e Comportamento do Consumidor. Esse era um dos meus *objetivos* pra 2014 e não tenho palavras pra descrever o quanto fiquei feliz de encontrar o meu nome na lista, mesmo sabendo que estou oficialmente ferrada até 2017.

Não sei se todo mundo que acompanha o Apê sabe, mas o Rafael, que deveria ser co-autor do blog comigo (qualquer hora ele volta!) apresentou no começo desse ano a dissertação dele, e se tornou Mestre em Design da Informação, também pela UFPR. Acompanhar essa rotina tão de perto entre 2012 e 2013 deixou bem claro pra mim que mestrado não é brincadeira e que aquele drama do TCC que muita gente faz na graduação (been there, done that) não é nada perto de pesquisar, estudar muito e escrever uma dissertação de mestrado. Mas ao mesmo tempo, vivenciar isso só me deixou mais animada pra correr atrás e voltar a estudar!

Acho que a ideia de que eu não iria parar de estudar depois da graduação existe na minha cabeça desde a época que ainda estava no colégio… os cinco anos e meio que fiquei estudando Relações Públicas (fiz um ano e meio de Univali antes de entrar na UEL) me deixaram meio traumatizada, é verdade, tanto que fiquei um ano parada, fazendo só cursos livres e tal, pra então fazer aquela especialização em Administração com ênfase Marketing Digital na FAE entre 2011 e 2012 e parar de novo.

Acabei focando muito no trabalho durante todo esse tempo, fiz uns cursos no Coursera mas aproveitei mesmo pra descansar a cabeça porque eu sabia que a hora de voltar com tudo chegaria cedo ou tarde.

Em junho fiz a prova do ANPAD, requisito pra quem quer fazer Mestrado em Administração, e o bom resultado me deixou animada pra juntar toda a documentação e fazer minha inscrição pro processo seletivo. Foram três fases e a cada uma que eu passava ficava mais ansiosa pra tal entrevista, que fiz no começo da semana retrasada.

Admito que fiquei bem nervosa no dia, meio que caí na real quando cheguei lá no Bloco Azul do Jardim Botânico e comecei a tremer, haha. Nessa hora, lembrei das conversas que tinha com o Waldyr, professor da UEL e orientador do meu TCC e tentei me concentrar… mesmo assim acho que não consegui me expressar tão bem lá, rs.

Não vou falar muito sobre o processo em si, ele acontece exatamente como está descrito no edital que tem no site do programa e no fim das contas cada Programa de Mestrado tem suas particularidades. O Rafael teve que apresentar pré-projeto pra banca, por exemplo, enquanto eu tive que fazer o ANPAD, entregar um monte de documentos e fazer uma interpretação de texto em inglês depois da entrevista, que não era nem a mesma das outras Linhas de Pesquisa em Administração.

Enfim, tá sendo muito louco lembrar de tantas vezes que contei para as pessoas que estava tentando mestrado, cheguei a desmarcar viagens e reuniões de trabalho por conta disso, li bastante pra me preparar e no fim (?) deu certo!

Claro que pretendo continuar o blog quando voltar a estudar ano que vem, não sei com que frequência isso vai virar tema de posts por aqui, mas é algo que faz parte da minha vida e que eu queria muito deixar registrado.

P.S.: Coloquei uma foto da minha modesta prateleira de livros acadêmicos pra ilustrar o post. Sei que faço parte dessa geração que consome muito artigos online nos quais muitas vezes se ignora por completo o autor e não dá muito valor pra esse tipo de conhecimento… mas nunca consegui superar isso! Faz um tempo já que parei de comprar livros físicos e só pago pela edição do Kindle pra ler no iPad Mini (pretendo adquirir um Kindle de verdade em breve pra me acompanhar nessa nova fase), mas tenho certeza que essa coleção voltará a crescer em breve! E pra uma das áreas que mais me encanta estudar: Comportamento do Consumidor <3 <3 <3.